Cidade natal: Mogi das Cruzes

Faculdade de graduação: Universidade de Mogi das Cruzes

Hobbie: Fotografia

Esporte ou time: O que me ajuda muito a aprender a manter a calma em situações estressantes na sala de emergência é a prática de Muay Thai, luto há 11 anos e esse treinamento faz com que você seja mais resiliente e consiga manter uma mente clara durante os confrontos diários com as adversidades de um pronto-socorro. Também aprecio muito esportes de aventura, como escalada, hiking e trekking. Eles me proporcionam um refúgio do caos do dia-a-dia, recuperando todas as energias para dar a melhor atenção possível aos meus doentes.

Por que escolheu HCFMUSP?

Ainda que em meio à crise nacional de assistência à saúde conseguimos fazer uma Medicina de Emergência de qualidade, proporcionando o que há de melhor em recursos tecnológicos e humanos para todos os pacientes de forma equitativa, independentemente de sua posição social ou qualquer outro fator discriminante.

Interesses dentro da ME e perspectivas

Uma das minhas maiores paixões na Medicina sempre foi o Atendimento Pré-Hospitalar. Até hoje não tínhamos uma especialidade que pudesse lutar objetivamente por essa modalidade de cuidado. Tenho a certeza de que o Brasil tem tudo para ser um grande produtor de evidência de qualidade para colaborar com condutas e guidelines mundiais no atendimento a vítimas em ambiente extra-hospitalar, seja por via terrestre, aérea ou marítima, como é feito em alguns locais da Amazônia brasileira. Manejo de vias aéreas em emergência, medicina de áreas remotas e medicina humanitária também são áreas pelas quais tenho grande interesse em continuar estudando sobre, além de atuar efetivamente como Emergencista.

Após os dois primeiros anos da residência:

Após o fim do nosso primeiro ano de residência consigo olhar para trás com o sentimento de dever cumprido, mesmo sabendo que muitos deveres ainda virão até o final da residência. Apesar de todas as dificuldades inerentes à condição de ser a primeira turma de Medicina de Emergência do HCFMUSP, conseguimos encerrar todos os estágios da melhor maneira possível, preparando e organizando junto com nossos coordenadores para que os novos residentes tenham uma experiência ainda mais completa em relação à que vivenciamos.

O primeiro ano satisfez e superou as minhas expectativas que, no início da residência, já eram bem altas. Iniciamos o aprendizado de manejo de vítimas de trauma, tivemos muito contato com as técnicas de ultrassom e percebemos a sua importância numa sala de emergência, percebemos o quão estressante e ao mesmo tempo recompensador pode ser um ambiente de Pronto Socorro e cada dia mais entendemos a necessidade de um profissional como o Emergencista nesse local.

O segundo ano foi marcado pelo amadurecimento profissional e acadêmico. Sempre aprendemos que ensinar é a melhor forma de aprender e nesse ano, com os novos residentes ingressando, podemos ver o quanto é possível aprender participando do treinamento de um outro residente. Continuamos na luta por uma melhor atenção aos pacientes nos Pronto Socorros mostrando na prática diária como o treinamento focado em Medicina de Emergência faz diferença no desfecho dos doentes.

As expectativas para 2019 são muito boas, já que este será o primeiro ano com as três turmas de Residentes de Medicina de Emergência atuando no Hospital das Clínicas da FMUSP.