Intubação traqueal precoce na Parada Cardíaca?

O papel apropriado para a intubação traqueal durante a parada cardíaca súbita (PCS) continua a ser uma fonte de debate. Em um grande estudo de coorte multicêntrico, comparando os resultados entre pacientes intubados e um grupo de pacientes com propensão à intubação, porém não intubados e ventilados de modo alternativo, todos os quais sofreram PCS enquanto internados no hospital, os pacientes intubados apresentaram taxas mais baixas de retorno da circulação, de sobrevivência e de sobrevivência com bom resultado funcional.

Este estudo fornece evidências adicionais de que a intubação traqueal é melhor se realizada após o retorno da circulação espontânea na Parada Cardíaca, a menos que uma ventilação adequada não possa ser mantida com ambu-com-reservatório ou com uma via aérea supraglótica.

 

Veja a seguir:

 

Associação entre a intubação traqueal durante a parada cardíaca intra-hospitalar em adultos e sobrevida.

Autores:

Andersen LW, Granfeldt A, Callaway CW, Bradley SM, Soar J, Nolan JP, Kurth T, Donnino MW, American Heart Association’s Get With The Guidelines – Resuscitation Investigators

JAMA. 2017; 317 (5): 494.

Importância: A intubação traqueal é comum durante a parada cardíaca em adultos no hospital, mas pouco se sabe sobre a associação entre intubação traqueal e sobrevida neste cenário.

Objetivo: Determinar se a intubação traqueal durante a parada cardíaca intra-hospitalar no adulto está associada à alta hospitalar com vida.

Design, configuração e participantes: Estudo observacional de pacientes adultos que tiveram parada cardíaca dentro do hospital no período de janeiro de 2000 até dezembro de 2014, incluídos no registro Get With The Guidelines-Resuscitation, um registro multicêntrico americano de parada cardíaca intra-hospitalar. Os pacientes que tiveram uma via aérea invasiva no local da parada cardíaca foram excluídos. Os pacientes intubados em qualquer minuto (de 0 a 15 minutos) foram combinados com pacientes com risco de serem intubados no mesmo minuto (ou seja, ainda recebendo ressuscitação) com base em um índice de propensão dependente do tempo, calculado a partir de múltiplos pacientes, eventos e características hospitalares.

Exposição: intubação traqueal durante parada cardíaca.

Principais desfechos e medidas: O principal desfecho foi a sobrevivência hospitalar. Os resultados secundários incluíram o retorno da circulação espontânea e um bom resultado funcional. Um índice de categoria de desempenho cerebral de 1 (déficit neurológico leve ou não) ou 2 (incapacidade cerebral moderada) foi considerado um bom resultado funcional.

Resultados: A coorte de propensão combinada foi selecionada de 108.079 pacientes adultos em 668 hospitais. A idade média foi de 69 anos (intervalo interquartil: 58-79 anos), 45.073 pacientes (42%) eram do sexo feminino e 24.256 pacientes (22,4%) sobreviveram à alta hospitalar. Dos 71.615 pacientes (66,3%) que foram intubados nos primeiros 15 minutos, 43.314 (60,5%) foram combinados com um paciente não intubado no mesmo minuto. A sobrevivência foi menor entre os pacientes que foram intubados em comparação com aqueles não intubados: 7.052 de 43.314 (16,3%) versus 8.407 de 43.314 (19,4%), respectivamente (razão de risco [RR] = 0,84; IC 95%, 0,81-0,87; P <0,001). A proporção de pacientes com retorno da circulação espontânea foi menor entre os pacientes intubados do que naqueles não intubados: 25.022 de 43.311 (57,8%) versus 25.685 de 43.310 (59,3%), respectivamente (RR = 0,97; IC 95%, 0,96-0,99; P <0,001). O bom resultado funcional também foi menor entre pacientes intubados do que aqueles não intubados: 4.439 de 41.868 (10,6%) vs 5.672 de 41.733 (13,6%), respectivamente (RR = 0,78; IC 95%, 0,75-0,81; P <0,001 ). Embora existam diferenças em análises pré-especificadas de subgrupos, a intubação não foi associada a resultados melhores em qualquer subgrupo.

Conclusões e relevância: Entre os pacientes adultos com parada cardíaca no hospital, o início da intubação traqueal em qualquer minuto durante os primeiros 15 minutos de ressuscitação, em comparação com nenhuma intubação durante esse minuto, foi associado à diminuição da sobrevivência para alta hospitalar. Embora o projeto do estudo não elimine o potencial de confusão por indicação, esses achados não suportam intubação traqueal precoce para parada cardíaca intra-hospitalar em adultos.

Fonte: Uptodate